quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Google Glass é a invenção do ano, segundo revista Time. Será?

Modéstia a parte discordo totalmente da revista Time e de vários tecnólogos entusiastas do Google Glass.
Dr. Gilson Lima
Cientista em Reabilitação e Pesquisador de Acessibilidade CNPQ-Ortobras.
gilima@gmail.com

A Google é uma fábrica de invenções ninguém pode negar. Uma referência de pesquisa em inovação também. Porém os óculos do Google (Google Glass ) vai numa direção contrária a minhas abordagens simbióticas. Azar meu. Talvez ele até pegue ou estoure no mercado de consumo e novos hábitos. Acho difícil, mas tem tanta coisa de alta complexidade tecnológica que nos faz regredir que esse seria apenas mais um caso.
Na minha perspectiva o Google Glass é um exemplo de como uma tecnologia de ponta pode nos tornar também piores do que somos.
Temos uma complexa rede neuronal e comportamental da visão. Vemos o mundo colorido e em três dimensões em tempo real. Para isso acontecer, no complexo processo de migração e formação celular desde a nossa fecundação tem um determinado momento e num determinado tempo (janela de oportunidade) que conseguimos definitivamente ver tudo em nossa volta como uma coisa só - mesmo tendo dois olhos.
Unificamos o mundo. Nosso cérebro é altamente adaptativo, mas tem seus limites - é claro. A retomada em uma nova dualidade simétrica da visão é um avanço ou retrocesso? Nossa inteligência mais complexa é intuitiva e não neuronal-informacional (o que as novas pesquisas e análises estão revelando e bem ao contrário do que as grandes corporações do digito binário nos impõe). Nossa inteligência é inconsciente, analógica e ao que tudo indica o papel da informação computada é mais primário do que imaginávamos. Imagine agora voltarmos a ter um mundo digital e dual no olhar? Um olho vital orgânico e outro inorgânico e processando informações da rede em dígitos binários do universo da informática. Nossa intensidade focal de energia não é assimétrica. Quando focamos intensamente algo seria (como um ponto de cada vez intensamente focado). Concentrar intensamente em algo focal é desacelerar a atenção de outro.  
Qual o caminho do Google Glass uma cooperação ampliada ou um retrocesso? Acredito que é um retrocesso. Somos complexos demais para sermos duais na visão. Ganhamos a unificação da visão e perderemos novamente. É um retorno da evolução conquistada pelos nossos antepassados. Nesse caso, digo novamente, nesse caso, para mim a tecnologia digital é um atraso.
Preferia que o Google fizesse uns óculos que potencializasse nossa escala de visão microscópica e ou macroscópica (micro e macro), mas unificada e sem danos de nossas conquistas orgânicas. Imaginem que um Condor andino pode ver um peixe dentro do mar voando a quase dois mil metros. Um óculos desse em cooperação com nossa unicidade visional ajudaria bastante.

Vamos lá. Ainda bem que a fábrica de invenções do Google tem muitas novidades que vão nos ajudar muito como é o caso do projeto "Loon", que pretende revolucionar o acesso global a Internet móvel por meio de balões de ar quente que flutuarão a 20 km do solo (na estratosfera). Porém o Google Glass não me parece ser uma delas. Imagine então você conversando com um usuário desses e ele conectado em tempo real podendo gravar sem sua autorização o que acontece ao seu redor. Precisaria algo em neon dizendo: cuidado você está sendo filmado. Seria realmente algo muito chato de conviver com esses usuários.

Nenhum comentário:

DIA DO SOCIÓLOGO: um adeus a velha sociologia!

Oi leitor com hermenêutica de profundidade. Coisa rara! Alguém interessado em uma leitura densa? Alguém querendo entender a crise atual do c...

Mais Lidas