PÁGINAS

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

notícias : FALSO COMA. Homem diagnosticado passa 23 anos consciente na Bélgica


Rom Houben escutava e via tudo à sua volta, mas não conseguia se comunicar com médicos.
Da BBC



Um erro de diagnóstico fez um homem passar 23 anos consciente e "amarrado" a uma cama, enquanto médicos pensavam que ele estava em coma, na Bélgica.
Rom Houben, que tinha 23 anos quando sofreu um acidente de carro que o deixou completamente paralisado, foi submetido a vários exames normalmente utilizados para diagnosticar o coma, baseados em respostas motoras, verbais e oculares.
Estudo alerta que muitos pacientes considerados em coma podem estar conscientes
Ele, no entanto, escutava e via tudo o que acontecia à sua volta, sem conseguir se comunicar com médicos, familiares e amigos.
Apenas alguns meses atrás, exames com aparelhos de tomografia de última geração mostraram que seu cérebro estava funcionando de maneira praticamente normal.

Mensagens

Houben foi então submetido a várias sessões de fisioterapia e agora consegue digitar mensagens em uma tela de computador.


Notícia mais detalhada:
Falso coma: Rom Houben esteve preso dentro do seu corpo
durante 23 anos.
24.11.2009


Durante 23 anos, o belga Rom Houben esteve preso dentro do seu corpo. O seu cérebro funcionava normalmente, ouvia tudo o que lhe diziam, mas não podia mexer-se nem falar. O seu pesadelo acabou quando um neurologista usou um inovador sistema de monitorização e percebeu que o cérebro de Rom estava a funcionar quase normalmente. Nesse dia, Rom voltou a nascer.
Rom Houben espera vir a escrever um livro contando a sua experiência e o seu "renascimento"
Em 1983, Rom Houben, então um jovem estudante de engenharia e amante de desportos de combate, sofreu um acidente de viação. O seu coração parou e o seu cérebro ficou privado de oxigenação durante vários minutos. A partir dessa altura o seu corpo ficou paralisado e oficialmente em coma. Mas o diagnóstico dos médicos foi demasiado precipitado. Apesar de completamente imóvel, Rom conseguia ouvir tudo o que lhe diziam. Ouvia os médicos falarem do seu estado de saúde e ouviu a mãe comunicar-lhe a morte do pai. Ouviu tudo isto sem poder chorar nem mexer a cabeça. Estava consciente e com um cérebro a funcionar, mas nunca conseguiu que o seu corpo comunicasse esse facto.
Tudo mudou há cerca de três anos. O neurologista Steven Laureys, da Universidade de Liege, que decidiu experimentar uma nova abordagem aos doentes em coma, libertou-o da sua tortura. Usando um inovador sistema de monitorização da actividade cerebral através de ressonância magnética percebeu que o caso de Rom era o de um falso coma.
O momento em que descobriram que eu não estava num estado vegetativo, disse Houben, foi como se tivesse nascido outra vez. “Nunca esquecerei o dia em que me ‘descobriram’. Foi o meu segundo nascimento”, disse Rom à revista alemã “Der Spiegel”, que trouxe o caso a público.
Nos últimos três anos Rom Houben, agora com 46, foi submetido a intensas sessões de fisioterapia e já conseguiu recuperar algum movimento. Comunica através de um ecrã táctil, acoplado à sua cadeira de rodas.
Rom explicou que, durante todos estes anos, conseguiu suportar o pesadelo de não poder comunicar o seu estado através da meditação e revivendo episódios passados. “Viajei com os meus pensamentos para o passado, ou então para uma nova existência. Eu era apenas a minha consciência, e nada mais”, disse Rom, que fala quatro línguas.

“Impotente. Extremamente impotente. Inicialmente fiquei revoltado, mas depois aprendi a viver com isso”, recorda agora Rom, citado pela AP.
O neurologista Steven Laureys - que chefia o grupo científico que estuda os estados de coma no hospital universitário de Liege - acredita que este caso é apenas um entre muitos, estimando que possa haver inúmeros falsos comas diagnosticados em todo o mundo. Laureys estima que os doentes em coma são mal diagnosticados com “assustadora regularidade”. De entre 44 doentes que se pensava estarem em coma, 18 deles responderam fisicamente a pedidos de comunicação.
De acordo com o “The Guardian”, os médicos belgas que diagnosticaram Rom como estando em coma usaram a escala Glasgow Coma Scale, internacionalmente aceite. Esta escala monitoriza os movimentos dos olhos e as respostas verbais e motoras. Porém, apesar de terem usado esta escala, falharam em determinar o correcto funcionamento do cérebro do doente.

“A partir do momento em que alguém é diagnosticado como inconsciente, é muito difícil arrancar a pessoa a esse estado”, indicou Laureys ao “Der Spiegel”.

O neurologista indicou ainda que todos os doentes classificados num estado de coma não-reversível, deverão ser “testados dez vezes” e que os comas, tal como o sono, têm diferentes fases que precisam de ser monitorizadas.
Houben espera vir a escrever um livro contando a sua experiência e o seu “renascimento”, indica o "The Guardian".
Um aparelho especial colocado sobre sua cama permite que ele leia livros mesmo deitado.
"Nunca vou me esquecer do dia em que descobriram qual era o meu verdadeiro problema. Foi meu segundo nascimento", disse. "Todo este tempo eu tentava gritar, mas não havia nada para as pessoas escutarem."
"Frustração é uma palavra muito pequena para descrever o que eu sentia", afirmou, Houben, que deve permanecer internado em uma clínica perto de Bruxelas.
O neurologista Steven Laureys, que liderou a equipe que descobriu a situação de Houben, publicou um estudo há dois meses alertando que muitos pacientes considerados em estado de coma na verdade podem estar conscientes.
"Apenas na Alemanha, a cada ano, 100 mil pessoas sofrem de traumatismo cerebral grave. Estima-se que de 3 mil a 5 mil deles se mantêm presos em um estágio intermediário entre o coma verdadeiro e a total recuperação de seus sentidos e movimentos. Eles seguem vivendo sem nunca mais voltarem", disse Laureys, chefe do Grupo de Coma do Departamento de Neurologia da Universidade de Liège.

DEBATE SOBRE A COMUNICAÇÃO DE ROM HOUBEN


Ajudado por um terapeuta, o dedo esticado de Rom Houben digita com surpreendente rapidez em um computador de tela sensível ao toque, relatando sobre como se sentia "sozinho, solitário e frustrado" nos 23 anos em que ficou preso em um corpo paralisado.
Rom Houben com Josephine Nicolaas Houben, sua mãe, que diz acreditar nas mensagens escritas pelo filho com ajuda de terapeuta
Após um médico perceber que ele havia sido diagnosticado erroneamente em estado vegetativo e desenvolver um método para sua comunicação, Houben afirma que se sente "renascido".
"E, igual a um bebê, acontecem muitos tombos", escreveu o belga de 46 anos, digitando as palavras em holandês para a emissora de notícias da Associated Press na terça-feira, com uma auxiliar guiando sua mão.
Um especialista em bioética, no entanto, expressa ceticismo sobre a comunicação real de Houben, afirmando que as respostas parecem artificiais para alguém com danos tão profundos e que passou décadas inábil para se comunicar. A equipe médica que cuida de Houben afirma que realizou testes especiais para comprovar que a comunicação de fato está acontecendo.
Vítima de um acidente de carro em 1983 aos 20 anos, Houben foi diagnosticado em estado vegetativo. Um especialista, usando um tomógrafo que não estava disponível nos anos 80, afirma finalmente ter notado que ele sofria de uma forma de "síndrome de prisão", em que a pessoa não consegue falar ou se mover, mas pode pensar. O médico então disponibilizou um equipamento para Houben se comunicar.
Mas Arthur Caplan, professor de bioética da Universidade da Pensilvânia que não tem contato direto com Houben ou conhecimento pessoal do caso, vê com descrença o caso após assistir a um vídeo com a mão do homem sendo movida sobre o teclado.

"Isso se chama comunicação induzida", diz Caplan. "É 'mesa branca', algo que foi desacreditado diversas vezes. Normalmente quem está 'ajudando' é quem está também compondo a mensagem, não a pessoa que supostamente está sendo ajudada."

A terapeuta Linda Wouters afirmou à Associated Press que pode senti-lo guiar sua mão com uma pressão sutil vinda de seus dedos, e que inclusive percebe sua negativa quando digita uma letra errada.
Audren Vandaudenhuyse, da equipe de Steven Laureys, do Coma Science Group, da Bélgica --que descobriu o erro de diagnóstico--, afirma que tudo foi checado e confirmado. Em determinada ocasião, um objeto foi mostrado a Houben enquanto sua auxiliar não estava na sala. Depois, ela voltou e o auxiliou a descrever o objeto, diz Vandaudenhuyse. "Temos certeza de que é ele quem está se comunicando", afirma.
A mãe de Houben, Josephine, diz acreditar que ninguém está guiando seu filho. "Aos poucos, ele foi se desenvolvendo usando o computador e agora se comunica com a terapeuta segurando sua mão", descreve Fina.
Perguntado como se sente agora, Houben escreve: "Sinto-me muito aliviado. Finalmente posso mostrar que estou realmente aqui".


Outro exemplo: Italiano desperta de coma, diz ter ouvido tudo e reacende debate sobre eutanásia


Agência Reuters, 5 de outubro de 2005 - Fonte: Globo On Line

ROMA - Um italiano que passou quase dois anos em coma profundo e era tido como um caso perdido pelos médicos despertou dizendo ter ouvido e entendido tudo o que se passava ao seu redor durante esse longo drama, segundo seus familiares.
Salvatore Crisafulli, pai de quatro filhos, descreve seu caso como um "milagre" que prova que não existem causas perdidas. Sua recuperação parece ter fortalecido a posição dos italianos contrários à eutanásia.

- Estou vivo graças ao meu irmão. Os médicos diziam que eu não era capaz de ter sensações, mas eu escutava e entendia tudo. E chorava de desespero - declarou Salvatore depois de acordar do estado de coma que entrou em setembro de 2003, após um acidente de carro.

O irmão de Salvatore chegou a compará-lo à americana Terri Schiavo, vítima de lesões cerebrais, que morreu em março após dez anos em coma, depois que a Justiça autorizou a retirada do seu tubo de alimentação.

- Os médicos diziam que eu não estava consciente, mas eu entendia tudo - disse Crisafulli, segundo a imprensa italiana nesta quarta-feira.

Os comentários foram feitos ao seu irmão na Sicília quando
Crisafulli, de 38 anos, começava a se recuperar lentamente. Ele saiu do coma há três meses, mas só começou ã falar recentemente. Sua primeira palavra foi "mamma", disse sua mãe aos jornalistas.
A notícia surge no momento em que uma comissão nacional de bioética defendeu a obrigatoriedade dos cuidados a pacientes inconscientes, mesmo àqueles contrários a medidas médicas extraordinários para mantê-los vivos.
A comissão governamental, que serve de ponto de referência para os parlamentares, tomou essa decisão no fim de setembro, mas um documento sobre o tema ainda está sendo finalizado.

- Alimentar um paciente inconsciente por meio de um tubo não é um ato médico - disse o presidente da comissão, Francesco D'Agostino.

- É como dar uma mamadeira a um recém-nascido que não pode ser amparado por sua mãe. E então refletimos sobre o caso Schiavo. A mulher foi deixada para morrer de fome.

O caso Schiavo provocou comoção na Itália, onde a Igreja Católica exigiu que os médicos continuassem a alimentá-la, apesar da vontade em contrário do seu marido.
O Papa João Paulo II morreu dois dias depois de Schiavo, e o Vaticano comparou um tribunal americano a um "verdugo" por exigir que o tubo de alimentação fosse retirado dela.
Crisafulli provavelmente nunca mais será o mesmo de antes do acidente. A mãe diz que ele tem dificuldades de fala, mas a família garante que ele parece alerta e consciente.

- Meu irmão fala e se lembra. Não espero que seja como era, mas já um milagre - disse Pietro ao jornal Corriere della Sera.

- E pensar que alguns médicos disseram que tudo seria inútil e que ele estaria morto em três ou quatro meses.

DA PARA PENSAR?