PÁGINAS

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

The new global macroeconomics will not be televised!


A nova macroeconomia global não será televisionada!

Li um artigo de Robert Shiller em novembro de 2011 publicado no NEW HAVEN, Connecticut. Um texto interessante apesar do otimismo exagerado em re-disciplinar a economia e as neurociência que estudam as estruturas fisiológicas cerebrais.

Para o autor, a macroeconomia pode iniciar uma revolução com base em fontes inesperadas. Por exemplo, as escolas médicas e suas instalações de pesquisa envolvendo as interciências neuromentais, como a neurociência (a ciência de como o cérebro opera), estão começando a mudar a nossa maneira de pensar sobre como as pessoas tomam decisões. Os últimos resultados de pesquisa, apontam para, inevitavelmente, mudarmos a nossa forma de pensar sobre como as economias sociais funcionam.

Esforços para vincular as interciências neuromentais com a economia, por exemplo, tem ocorrido na maior parte apenas nos últimos anos. Revoluções na ciência tendem a vir de lugares completamente inesperados. Um campo da ciência pode transformar estéril se não abordagens fundamentalmente novas para a pesquisa estão no horizonte.

Acadêmicos podem se tornar tão presos em seus métodos - na língua e os pressupostos da abordagem aceita para a sua disciplina - que a pesquisa torna-se repetitiva ou trivial.


Então, algo excitante vem de alguém que nunca esteve envolvido com esses métodos - alguma nova ideia que atrai jovens estudantes e alguns iconoclastas estudiosos antigos, que estão dispostos a aprender a fazer ciência diferente e com métodos de pesquisa diferentes. 

Muito da teoria econômica e financeira moderna é baseada na suposição de que as pessoas são racionais e, portanto, que sistematicamente maximizar a sua própria felicidade, ou como os economistas chamam, sua "utilidade". Quando Samuelson tomou sobre o assunto em seu livro de 1947, ele não olhou para o cérebro, mas baseava-se em "preferência revelada". Objetivos das pessoas revelam-se apenas pela observação de suas atividades econômicas. Sob a orientação de Samuelson, gerações de economistas baseiam suas pesquisas, não em qualquer pensamento estrutura física subjacente e comportamento, mas apenas no pressuposto da racionalidade.

Uma direção que excita os cientistas é como o cérebro lida com situações ambíguas, quando as probabilidades não são conhecidas, e quando a informação altamente relevante outro não está disponível. Já foi descoberto micro processos que o cérebro utiliza para lidar com problemas quando as probabilidades não são claras ou são diferentes daquelas usados habitualmente ou quando as probabilidades “significativas” são desconhecidas. Estas pesquisas nos ajudam a entender como as pessoas lidam com a incerteza e o risco, digamos, os mercados financeiros em um momento de crise ou tomadas de decisões muito significativas em nossas vidas. 

John Maynard Keynes pensava que a maior tomada de decisão econômica ocorria em situações ambíguas em que as probabilidades não são conhecidos. Ele concluiu que grande parte do nosso ciclo de negócios é acionado pelas flutuações dos "espírituais", algo da mentitude e nunca compreendido pelos economistas.

Como podemos melhorar a nossa compreensão dos problemas de qualquer espécie e relevância? Será que existe esse denominador universal?

 Gilson Lima*
Doutor em Sociologia das Ciências. Professor e Pesquisador da pós-graduação do Centro Universitário Metodista IPA. Pesquisador do Research Committee Logic & Methodology and at the Research Committee of the Clinical Sociology Association International Sociological (ISA).
E-mail: gilima@gmail.com
Blog: http://glolima.blogspot.com