PÁGINAS

domingo, 19 de abril de 2015

RETORNO AO PALCO DA VELHA BANDA ELLO!

Ontem (19/04/2015) no 2° Sarau dos alunos de Técnica Vocal da professora Cintia Rodrigues cantei no palco da Openstage em Porto Alegre com meus velhos parceiros dos tempos da garagem em Petrópolis nos anos 70. Valeu Janjão (no violão e meia lua) e grande Nando no Ukulele.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

DAS MANIFESTAÇÕES DE DOMINGO 12 DE ABRIL -2015

Foto Gilson Lima com Baboo!
Contato: gilima@gmail.com
O número de pessoas que reocupam as ruas invocando políticas e protestos continua a surpreender - aos desconectados... e desorientados
Nesse domingo, as manifestações levaram menos gente para a rua nas principais cidades mais conectadas (que reduziram o foco de seus gritos e sussurros para questões eleitorais). Porém, em muitas cidades menores, o foco pragmático da luta contra corrupção e o assalto aos cofres públicos   - que alguns reconhecidos membros das elites políticas estão sendo acusados - se aflorou mais ainda.
A pressão política atual das redes sociais é constante, a complementação com manifestações de corpos de nômades ocupando as ruas públicas pacificamente é outro. Às vezes, com maior pressão, as vezes menor. Isso é viver numa sociedade conectada em redes digitais e sociais, como o Brasil já é há anos.
Mas penso que a redução do foco para bandeiras eleitorais tradicionais como: impeachment político; reforma política; e as reacionárias bandeiras de retorno ao passado sombrio que perdem cada vez mais conectividade entre os informados.
Enquanto isso, as comissões que irão julgar os políticos na operação lava jato já estão formadas no Supremo. Por falar em Supremo, ele passou quase ileso de pressão - nessas manifestações. É lá que a coruja dorme atualmente. É necessário pressão para trabalharem sério, com visibilidade e rápidas ações junto aos processos e julgamentos que lá já se encontram.... A mídia tem direito a nos informar, mesmo que o circo venha junto. Faz parte. Parabéns a turma do Paraná (Polícia Federal e Ministério Público de lá) fizeram sua parte.

E então Supremo?