PÁGINAS

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

VICIADOS EM DISPLAYS!


Dr. Gilson Lima

Coordenador Regional do Research Commitee Clinical Sociology da ISA – International Sociology Association. Professor da UNISC e Pesquisador CNPQ-Ortobras.


Texto inspirado em pesquisa Ibraim financiada pelo Google nos Estados Unidos!

Quando nós pensamos sobre vícios, nós geralmente associamos isso com alcoolismo ou abuso de drogas. No entanto os mesmos caminhos neurais no cérebro que reforçam a
dependência dessas substâncias podem levar a comportamentos tecnológicos compulsivos. São tão viciantes e potencialmente destrutivos. Quase tudo que as pessoas gostam de fazer – comer, comprar, fazer sexo, apostar – tem o potencial para dependência psicológica e fisiológica. Mas o acesso, o anonimato constante na internet tem ajudado a criar varias formas novas de comportamento compulsivo abastecido pela WWW e outras tecnologias digitais.

 Se nós estamos assistindo TV ou pesquisando por velhos temas musicais de TV, o cérebro e outros órgãos reagem automaticamente a cena e criam estímulos. A taxa cardíaca diminui, os vasos sanguíneos do cérebro se dilatam, e o sangue flui para longe dos principais músculos. Esta reação fisiológica ajuda o cérebro a focar. A mudança rápida e fluxo de estímulos visuais podem mudar nossa resposta de orientação nos movimentos e continuamos olhando para a tela, eventualmente nos sentir cansados em vez de a estimulação mental continuar.
Depois de uma maratona de na frente do computador ou televisão, nossas habilidades de concentração diminuem, e muitas pessoas relatam uma sensação de esgotamento, como se a energia fosse "sugado para fora delas." Apesar destes efeitos secundários, os computadores e a Internet são difíceis de resistir e nossos cérebros, especialmente o dos jovens, podem ficar viciados rapidamente. As vendas de jogos estão mais fortes do que nunca.

Usuários com tempo abusivo e sem critérios de aprendizagem qualificada na Internet (só clicks e navegação esquemático de links) relatam sentir uma explosão de sensações agradáveis quando visitam seus sites favoritos, como viciados em compras têm de ver anúncios da venda, colocando seus cartões de crédito em suas carteiras, e que estabelece em uma farra de gastos. Estes sentimentos de euforia,  estão ligados a alterações químicas cerebrais que controlam comportamentos que vão de uma sedução psicológica a um vício completo. O sistema de interação bioquímica do cérebro que controla estes sentimentos envolve o neurotransmissor da dopamina, um mensageiro cerebral que modula todos os tipos de atividades que envolvem recompensa, punição e exploração.

A dopamina é responsável pela euforia que os viciados sentem, começando a partir do consumo de metanfetamina, o álcool, o THC da maconha, nicotina do tabaco, alimentos como o chocolate ou comportamentos exagerados no uso de exercícios, rotinas sexuais e tantos outros, ... O uso com tempo abusivo com displays interativos  condiciona ao usuário procurar compulsivamente novos links e toques de tela para recriar o sentimento de euforia, enquanto não estiver utilizando a "droga" digital. Independente dos usos, a dopamina transmite mensagens de prazer para o núcleo  accumbens e centros corticais do cérebro, fazendo com que a sensação de prazer seja recompensada e forçando a repetição dessas ações, mais vezes, porém como tudo, isso acontece tendo como efeito de que o usuário não sinta sempre o mesmo prazer que da primeira vez exigindo mais e mais conexões e, também como tudo, gerando consequências negativas. Nada é só positivo ou sói negativo.  

A estimulação tem uma recompensa mental para o sistema de dopamina. Estudos de voluntários com viciados em jogos de vídeo game mostram que os jogadores continuam jogando, apesar de múltiplas tentativas de distraí-los. O sistema de dopamina lhes permite tolerar o ruído e desconforto com facilidade. Pesquisas anteriores mostraram que tanto a alimentação como a atividade sexual altera os níveis de dopamina.
Como a repetição em busca do prazer de usar a internet se apodera, a região do cérebro de tomadas de decisões de controle fica imune ao uso excessivo e estressante celular da pilotagem dos displays. Aprendi isso analisando pesquisas com pilotos de tela com lesão neuronal severa. Os pacientes criam novos sistemas de decisões e controle de uso da interação da interface cérebro máquinas computáveis e softwares. Esta é uma área na parte frontal do cérebro que é responsável pela tomada de decisão e julgamentos. Muitas decisões de repetição auxiliam na reabilitação outras podem prejudicar e gerar frustamentos, tudo é uma questão de dosagem e diluição. Sabendo usar é praticamente um doping intelectual na reabilitação. Isso significa muito para os trenamentos clínicos, a reabilitação e a reaprendizagem cerebral.  
 O uso abusivo dos displays atinge pessoas de todas as partes da vida: donas de casa em seus trinta e quarenta anos, adolescentes, pessoas de negócios em seus cinquenta anos e mais velhos, estudantes universitários, e até crianças com menos de 10 anos. Todo mundo está em risco de ficar "viciado" em aplicações web e dos smartphones.

Muitas crianças e adolescentes não são exatamente  viciados, mas a atração de novas tecnologias pode obscurecer seu julgamento. O cingulado anterior em seus cérebros muitas vezes perde para a corrida de dopamina que começa a partir de mensagens de texto com seus amigos. Mensagens de texto dos adolescentes durante a condução têm causado milhares de acidentes de carro fatais em todos os Estados Unidos. Apesar de mensagens de texto ser muito mais perturbador do que apenas falar em um telefone celular, a partir de julho de 2007, apenas um punhado de estados neste país proibiu mensagens de texto enquanto dirige. É claro que a interação de voz que dispensa o uso dos braços e está cada vez mais acoplada nos automóveis resolverá isso para a comunicação fonada assistida enquanto dirigimos ou realizamos tarefas diárias que exigem algum risco quando precisamos de foco muscular motor.

Um recente estudo da Universidade de Stanford descobriu que até 14 por cento dos usuários de computador informou negligenciar a escola, trabalho, família, comida, sono e, a fim de permanecer online. A Internet está rapidamente se tornando o meio de entretenimento e informação de escolha que poderá em breve tornar-se mais popular do que a televisão tradicional (mas não a substituirá e conviverão ambas TV e redes sociais de modo cada vez mais complementar).

Tem sido relatado que os estudantes universitários com dificuldades de adaptação à vida campus podem usar a Internet para escapar do estresse diário. Em vez de enfrentar os desafios da vida cara a cara, eles sentem uma sensação maior de controle usando sites de redes sociais, e-mail, torpedos, e salas de chat. Mais de 18 por cento dos estudantes universitários são usuários da Internet patológicos e 58 por cento relataram que o uso da Internet excessiva interrompeu seus estudos e participação em sala de aula e também reduziu sua média de suas avaliação e aprendizagem escolar.

Não é a própria Internet, que é viciante, mas sim a aplicação específica de escolha. As pessoas podem ficar viciadas em busca de banco de dados, namoro online, compras na web, sites pornográficos, ou mesmo verificar seu e-mail. Outros se tornam compulsivos jogadores on-line, os comerciantes de ações, jogadores, ou remetentes de mensagens instantâneas.

Mesmo se você não é viciado em Internet ou a uma relacionada com tecnologia, você pode estar lutando com a sua sedução, talvez deixá-lo tirar o melhor de você de vez em quando.

Parte do apelo da nova tecnologia é a sensação de controle que ele nos dá. O comando direto e imediato que temos sobre nossos computadores dá mais poder a nós. Nós temos o poder de transformar os nossos computadores e desliga-los quando quisermos. Podemos fazê-los desligar, hibernar, ou reinicializar. Podemos medir o ritmo de nossas comunicações, ou não comunicar a todos, se quisermos.

Mas, para os indivíduos em risco para a dependência, o computador e a Internet podem oferecer uma falsa sensação de controle. A tela, teclado, mouse e tornam-se extensões do indivíduo-um link de hardware/software para o global, o mundo conectado à Internet. Usuários compulsivos relatam sentir uma sensação de libertação e anonimato online, para que eles costumam dizer ou escrever coisas que não poderiam revelar sobre suas vidas pessoais. Alguns usuários têm uma emoção de fazerem-se personalidades completamente falsas. O que alguns usuários de internet não percebem é que uma vez que você colocar seus pensamentos e sentimentos em palavras na Web, são público para sempre e acessível não apenas para amigos e familiares, mas também acessíveis para recrutadores de trabalho, e pessoas sem seus melhores interesses em mente. Com o crescente interesse em monitoramento da web, os supervisores estão começando a manter o controle dos blogs de seus funcionários e não estão hesitando em despedir trabalhadores que postam em blogs que possam comprometer as informações da empresa ou a marca.

A força do vício depende do indivíduo. A genética tem um papel. Algumas pessoas herdam uma tendência a ficar viciado em quase qualquer coisa e a Internet suporta várias formas de comportamento viciante que muitas vezes acontece quando se está off-line também, como: jogos de azar, comer, sexo e compras. Outros estão procurando uma fuga da ansiedade, depressão, tédio ou conflitos interpessoais. A pressão dos colegas estimula muitos jovens a ficarem viciados em atividades interativas on-line que envolvem salas de bate-papo, redes sociais ou jogos virtuais.

Especialistas em vícios propuseram critérios para o transtorno de dependência da Internet, que incluem alterações de humor, a tolerância, sintomas de abstinência e recaída. Alguns especialistas estimam que 10 por cento dos utilizadores da Internet atendem a esses critérios para o vício, que são semelhantes àqueles para os vícios do jogo e das compras, onde o usuário é viciado a um processo e não uma substância como drogas, álcool, tabaco ou alimentos ( a bioquímica é mais cerebral). No entanto, enquanto que um abusador de substância se esforça para abstinência completa (exceto para alimentos), um viciado em Internet tenta com mais frequência alcançar a moderação. Recentemente, a Associação Médica Americana recomendou estudo adicional para determinar se jogar vídeo game e os vícios da Internet devem ser considerados categorias oficiais de diagnóstico.

Como em todos os vícios a quantidade de uso e tempo é um valor a considerar, no caso da Internet a quantidade de tempo gasto no display é geralmente considerável, a desordem tem tanto a ver com o fato de que o sinal elétrico é imensamente mais veloz do que os bioquímicos orgânicos, mas também  na sua derivação em macro comportamentos que interferem na vida cotidiana da pessoa por perturbar o seu trabalho, a vida familiar ou atividades sociais.